1º Batalhão de Forças Especiais - Batalhão Antônio Dias Cardoso

Histórico

Clique nas fotos para ampliar

 

       A história dos Operadores de Forças Especiais do Exército Brasileiro remonta do século XVII, na Campanha de Guararapes, origem do próprio Exército Brasileiro. Em 1640, durante a 2ª Invasão Holandesa, o Patrono e maior exemplo dos Forças Especiais, o Sargento-Mor Antônio Dias Cardoso foi enviado pelo Governador Geral da Colônia à Capitania de Pernambuco com a missão de organizar e instruir civis, índios nativos, brancos portugueses e seus descendentes já nascidos em solo pátrio, e negros escravos, para expulsar o invasor estrangeiro.

 

Antônio Dias CardosoNeste intuito, Antônio Dias Cardoso infiltrou em território pernambucano grande quantidade de armamento e munição, aliciou líderes da região e recrutou a população, organizando-os, instruindo-os e equipando-os para comporem suas Forças de Resistência e Emboscada. Devido ao sucesso da Batalha do Monte das Tabocas, o pequeno efetivo organizado pelo Sargento-Mor foi transformado no Exército da Restauração, célula “mater” da Força Terrestre Brasileira que, utilizando táticas inéditas para a época e bastantes semelhantes às presentes na atual doutrina de nossas Forças de Operações Especiais, derrotou os holandeses nas duas batalhas dos Guararapes.

 

       Mais recentemente, em meados do século XX, as experiências e ensinamentos colhidos ao longo da 2ª Guerra Mundial impuseram ao Exército Brasileiro a evolução no campo das Operações Especiais. Assim, naquele momento, mais especificamente em 1957, deu-se início à história moderna das Forças Especiais Brasileiras, quando o Cel R/1 Gilberto Antônio Azevedo e Silva, após retornar de um intercâmbio com o Exército dos Estados Unidos da América, propôs a criação de uma unidade semelhante à tropa de Forças Especiais daquele país. Desta forma, sob sua liderança, os chamados "Pioneiros" realizaram o primeiro Curso de Operações Especiais de nossa Força Terrestre.

 

Pioneiros Em 1961, oficiais e sargentos com o curso de Operações Especiais foram aos Estados Unidos da América e trouxeram a doutrina dos "Special Forces" e "Rangers", adaptando-a às características e peculiaridades de nosso País.

       Em 12 de agosto de 1968, finalmente foi criado o Destacamento de Forças Especiais, subordinado à Brigada de Infantaria Paraquedista, no Rio de Janeiro, fato que deu início ao desenvolvimento e emprego da doutrina brasileira de Forças Especiais no Exército. Paralelamente, findando um processo que perdurou por cerca de 10 anos, após cursos, instruções e um trabalho árduo e determinado de nossos "Pioneiros", foram organizados, em 1968, os primeiros Curso de Ações de Comandos e de Forças Especiais.

 

1º Batalhão de Forças Especiais O final do século XX e os conflitos militares que se avolumavam naqueles anos mostraram uma tendência de emprego, cada vez maior, de Forças de Operações Especiais, o que foi determinante para a criação do 1º Batalhão de Forças Especiais, em 30 de setembro de 1983, a partir do núcleo do Destacamento de Forças Especiais. Esta Unidade instalou-se, no ano seguinte, no Camboatá, na cidade do Rio de Janeiro.

       Por seus feitos e glórias como uma das principais Reservas Estratégicas do Exército, em 1991 este Batalhão recebeu a denominação histórica de Batalhão Antônio Dias Cardoso, uma justa homenagem ao Sargento-Mor considerado o primeiro Operador de Forças Especiais do Brasil.


1º Batalhão de Forças Especiais (Dias Atuais) Com a evolução dos acontecimentos no mundo, escalada de vetores adversos, terrorismo e outros conflitos de significativa intensidade, uma vez mais, denotaram a crescente importância do emprego de Forças de Operações Especiais. Esta realidade levou o Comando do Ex a criar, em 2004, a Brigada de Operações Especiais na Guarnição de Goiânia – GO, agora berço das Operações Especiais de nosso Exército. O 1º Batalhão de Forças Especiais foi a célula “mater” desta GU, dando origem a todas e a cada uma de suas OMDS. Hoje, esta Unidade está instalada na região de Goiânia, garantindo a acentuada mobilidade estratégica e flexibilidade necessárias ao emprego de seus Destacamentos Operacionais de Forças Especiais (DOFEsp) em todo território nacional.

 

       A situação e a capacidade instalada em pessoal e material altamente especializados do 1º Batalhão de Forças Especiais o qualificam ao planejamento, condução e execução de operações de guerra irregular, contraterrorismo, fuga e evasão, inteligência de combate, contraguerrilha, guerra de resistência, operações psicológicas, reconhecimento especial, busca, localização e ataque a alvos estratégicos, bem como a variadas ações diretas ou não que envolvem alto grau de sigilo, considerável grau de risco, e que são executadas, invariavelmente, em território hostil nacional e internacional.

 

       Concluindo, esta Unidade, ao longo de seus 28 Anos de existência e com base em sua história de formação no seio do Exército Brasileiro, caracteriza-se hoje como:

        - Uma força de pronta resposta estratégica, ecd lançar seus vetores em qualquer ponto do território nacional e no exterior…
        - Particularmente, por possuir ampla capacidade na condução de operações especiais...- cujo poder dissuasório na gestão de crises, proporciona maior respaldo às decisões políticas...
        - Constitui ainda, a principal célula de evolução e aperfeiçoamento da doutrina de emprego das forças de operações especiais no exército brasileiro...
        - Responsável também por testar e validar o emprego de equipamentos e armas de alto valor tecnológico agregado...
        - Mas que jamais deixará de ter, na qualidade e na capacidade de seus recursos humanos, o principal fator de decisão de suas ações.

Voltar

Este site foi aprovado pelo BI nº 063 de 19/08/2010, do Comando Militar do Planalto.
Todos os direitos reservados - Sec Info 1º B F Esp. Responsável pela atualização do site: S Ten Neto